Veja as principais legislações vigentes para a prática de Telemedicina e Receitas Digitais

MEDIDA PROVISÓRIA No 2.200-2, DE 24 DE AGOSTO DE 2001.
Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil, transforma o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação em autarquia, e dá outras providências. 

PORTARIA Nº 344, DE 12 DE MAIO DE 1998(*)
Aprova o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. 

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2.220-2/01
Institui a Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil, que visa garantir a autenticidade, a integridade e a validade jurídica de documentos assinados em forma eletrônica que utilizem certificados digitais.

PORTARIA Nº 467, DE 20 DE MARÇO DE 2020
Dispõe, em caráter excepcional e temporário, sobre as ações de Telemedicina, com o objetivo de regulamentar e operacionalizar as medidas de enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional previstas no art. 3º da Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, decorrente da epidemia de COVID-19. 

RESOLUÇÃO – RDC Nº 351, DE 20 DE MARÇO DE 2020
Dispõe sobre a atualização do Anexo I (Listas de Substâncias Entorpecentes, Psicotrópicas, Precursoras e Outras sob Controle Especial) da Portaria SVS/MS nº 344, de 12 de maio de 1998, e dá outras providências. 

RESOLUÇÃO – RDC Nº 357, DE 24 DE MARÇO DE 2020
Estende, temporariamente, as quantidades máximas de medicamentos sujeitos a controle especial permitidas em Notificações de Receita e Receitas de Controle Especial e permite, temporariamente, a entrega remota definida por programa público específico e a entrega em domicílio de medicamentos sujeitos a controle especial, em virtude da Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII) relacionada ao novo Coronavírus (SARS-CoV-2).Ofício Ministério da Saúde nº 498, 26 de março de 2020 – Validade de prescrições, laudos e atestados. 

LEI Nº 13.989, DE 15 DE ABRIL DE 2020
Dispõe sobre o uso da telemedicina durante a crise causada pelo coronavírus (SARS-CoV-2).
Apesar de a legislação não exigir um formato especifico de assinatura digital, o ITI em conjunto com o CFM e CFF seguiram no caminho de fazer validação de assinaturas digitais no formato PDF.

Importante: os documentos gerados pela Memed estão dentro dos padrões reconhecidos pelo Ministério da Saúde e pela Anvisa e passível de verificação no novo Validador de Documentos Digitais para receitas médicas assinadas digitalmente.

Qualquer dúvida, fale conosco via chat.

Encontrou sua resposta?